Perfil

Perfil: Sebastião Rodrigues Maia (Tim Maia)

Tim Maia em 1986, em um passeio pela orla do Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro (Foto: Frame do Doc
Tim Maia em 1986, em um passeio pela orla do Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro (Foto: Frame do Doc “Tim Maia”, de Flávio Tambellini)

28 de setembro é o dia de Tim Maia. Nascido no Rio de Janeiro, a carreira de Sebastião Rodrigues Maia começou em 1956, aos 14 anos, tocando bateria no grupo “Os Tijucanos do Ritmo”. No ano seguinte, junto com Roberto e Erasmo Carlos, criou o grupo “Os Sputniks”. O sucesso viria no início da década de 1970, quando lançou seu primeiro LP, pela Polydor. Aderiu à seita Universo em desencanto, em 1975, fase que resultou nos LP’s “Tim Maia Racional” volumes 1 e 2. Três anos depois, no auge da era disco’, Tim Maia estoura com “Acenda o farol”, sucesso do álbum “Tim Maia Disco Club”.

Em meados dos anos 1980, como boa parte dos artistas da época, adere ao repertório de Michael Sullivan & Paulo Massadas, com “Leva” e “Um dia de domingo”, esta gravada em dueto com Gal Costa. Em 1993, a partir da homenagem feita por Jorge Ben Jor em “W/Brasil” (“Chama o síndico / Tim Maia, Tim Maia!”) e de um comercial de TV que tinha, como tema musical, uma releitura de “Como uma onda” (de Lulu Santos e Nelson Motta), vários sucessos de Tim Maia voltam às paradas de sucesso, impulsionados também pelo lançamento do CD “Romântico” (Som Livre), que trazia as inéditas “Essa tal felicidade” e “Não me iludo mais”, além de grandes sucessos. Quatro anos mais tarde – antes de Caetano Veloso – Tim Maia grava a canção “Sozinho”, de Peninha, que, segundo declaração do próprio Caetano, foi a partir da audição da música com Tim que ele sentiu vontade de cantá-la também.

Tim Maia faleceu aos 55 anos, em 15 de março de 1998 em Niterói, RJ, dias depois de sentir-se mal em pleno palco, durante uma apresentação no Teatro Municipal da cidade.

Em homenagem a este grande artista da música popular brasileira, que deixou seu nome marcado na história através de clássicos como “Azul da cor do mar”, “Primavera”, “Me dê motivo” e “Não quero dinheiro”, entre outras canções e histórias memoráveis – como as inúmeras vezes em que não comparecia aos shows, deixando o público esperando – selecionamos um momento de Tim Maia em grande estilo: o documentário de Flávio Tambellini, premiado na categoria “Melhor Filme” no Festival de Cinema de Fortaleza, em 1988:

Você também pode gostar...

5 comentários

  1. Vivivan Julião de Oliveira diz:

    Vocês poderiam comentar mais sobre o trabalho dele com educação infantil,suas musicas e cds pra crianças(como o cd sorriso de criança, q infelizmente em todos os sites q procurei ñ encontrei nada falando sobre o cd e o q levou ele a fazer esse cd..)
    espero q atendam meu pedido pois estarei esperando + informações sobre a vida do nosso GRANDE TIM MAIA

  2. Olha ,posso colaborar com o local certo aonde o Tim morava na Rua do Matoso 184 – sobrado- Tijuca RJ. Já o Eramos morava em uma Rua perpendicular a do Matoso,chamada Beco do Motta. Têm gente divulgando os locais totalmente fora da realidade. O ponto deles era no Bar Divino, ao lado da grande entrada do antigo Cine Madri – Rua Haddock Lobo (homenageada por ele em música). O Jorge Ben ,também frequentava o sobrado e o Bar.
    Abç.

  3. Olha ,posso colaborar com o local certo aonde o Tim morava na Rua do Matoso 184 – sobrado- Tijuca RJ. Já o Eramos morava em uma Rua perpendicular a do Matoso,chamada Beco do Motta. Têm gente divulgando os locais totalmente fora da realidade. O ponto deles era no Bar Divino, ao lado da grande entrada do antigo Cine Madri – Rua Haddock Lobo (homenageada por ele em música). O Jorge Ben ,também frequentava o sobrado e o Bar.
    Abç.

  4. Olha ,posso colaborar com o local certo aonde o Tim morava na Rua do Matoso 184 – sobrado- Tijuca RJ. Já o Eramos morava em uma Rua perpendicular a do Matoso,chamada Beco do Motta. Têm gente divulgando os locais totalmente fora da realidade. O ponto deles era no Bar Divino, ao lado da grande entrada do antigo Cine Madri – Rua Haddock Lobo (homenageada por ele em música). O Jorge Ben ,também frequentava o sobrado e o Bar.
    Abç.

  5. Quero todas as música de Tim Mai é uma satisfação ouvir essa voz maravilhosa.

    obrigado.

    Joselino Santos

    Olinda/PE.

Deixe uma resposta para Vivivan Julião de Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *