BeBossa, Roberto Menescal e Wanda Sá

Há três anos, em 2009, Roberto Menescal convocou Wanda Sá e o grupo BeBossa para uma viagem musical através de sua obra. O show, que percorreu diversas cidades brasileiras neste período, virou CD: A Galeria do Menescal (Saladesom records) reúne as canções que o público ouviu e aplaudiu durante estas apresentações, agora interpretadas em estúdio. Uma reunião de clássicos bossanovistas e canções mais recentes, como Bye bye Brasil, Benção Bossa Nova e Agarradinhos – título de um disco de Leila Pinheiro com Roberto Menescal, lançado há cinco anos.

Nos palcos e no estúdio, O BeBossa – formado por Marcela Velon, Carol Assad, Marcela Mangabeira, Cauê Nardi, Matias Corrêa e Zeca Rodrigues – se transforma em um octeto, junto com Wanda Sá & Roberto Menescal, parceiros de longa data. Neste encontro de gerações, entre o violão de Menescal, e o canto de Wanda (que foi aluna de violão de Roberto Menescal) e do BeBossa, maravilhas da MPB como Telefone, Rio, Vagamente e Balansamba ganham novos tons, entre outras composições de Roberto Menescal com Ronaldo Bôscoli, Carlos Lyra, Paulo César Pinheiro, Wanda Sá, Oswaldo Montenegro, Chico Buarque, Paulo César Feital e Rosália de Souza. Sobre o encontro, Zeca Rodrigues, líder e arranjador do BeBossa, revela: “Foi emocionante não só gravar, mas dividir o palco com eles, conviver nos bastidores… é muita experiência, muita história pra contar” – afirma.

Além do encontro entre Menescal, Wanda e BeBossa, o título do CD (foto, acima) é um caso à parte: no coração de Copacabana, no quarteirão entre a Avenida Nossa Senhora de Copacabana e as Ruas Figueiredo de Magalhães, Santa Clara e Barata Ribeiro, está a Galeria Menescal, um símbolo da história do bairro e que, por causa do nome, muita gente pensa que o dono é Roberto – este sim, proprietário de uma obra cultural que atravessou o mundo. Uma bela e divertida sacada para simbolizar a reunião de composições do álbum, cuja capa remete diretamente às clássicas ilustrações dos LP’s de Bossa Nova da gravadora Elenco, dos anos 1960.

Já faz tempo que o barquinho de Roberto Menescal veleja mundo afora. De lá pra cá, são mais de cinquenta anos de trajetória musical, em que o músico passeia acompanhado de personagens incríveis e por novas gerações de cantores e compositores encantados – e influenciados – pela sua bossa, sempre nova.

Faixas:

Benção Bossa Nova (Carlos Lyra, Roberto Menescal e Paulo César Pinheiro)
Bye bye Brasil (Roberto Menescal e Chico Buarque)
O barquinho (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Brasil precisa balançar (Roberto Menescal e Paulo César Pinheiro)
Telefone(Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Você (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Ninguém (Roberto Menescal e Wanda Sá)
Rio (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Vagamente (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Agarradinhos ((Roberto Menescal e Rosália de Souza)
Eu canto meu blues (Oswaldo Montenegro e Roberto Menescal)
A morte de um deus de sal (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Japa (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Balansamba (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)

Assista O barquinho, com Roberto Menescal, Wanda Sá e BeBossa, apresentada tal qual no CD, em uma versão mais suave:

Leia também:

BeBossa: uma nova bossa no ar
Bossa Nova, “cinquentona” com tudo em cima