Menu Close

Rita Lee faz a temperatura subir em Itaipava

Eterna Rainha do rock desfila seus sucessos no inverno fluminense

Rita Lee subiu a serra, enfrentou o frio de cerca de 5º e esquentou os corações de quem lotou o Parque Municipal de Itaipava, na noite de sexta-feira, dia 29. O espetáculo fez parte do Festival de inverno SESC 2005, que levou outros nomes ao palco da cidade, como Gabriel o Pensador, Vanessa da Mata e Wander Lee.

No programa do show, clássicos de todos os tempos: Saúde, Nem luxo nem lixo, Ovelha Negra, Panis et Circensis, Agora só falta você, Erva venenosa, além de canções recentes, como Eu quero ser sedado, versão de I Wanna be Sedated, do Ramones, e Tudo vira bosta, composição de Moacyr Franco onde Rita Lee convoca o povo a ingressar na “Igreja da Escatologia”: “ – Nós nascemos, crescemos, estudamos, nos formamos, arranjamos emprego, ganhamos dinheiro, vamos ao supermercado, compramos comida, comemos, e tudo vira bosta!”.

Como de costume, Rita brincou com o público, sempre baseada em fatos da atualidade. Disse que “também quer um mensalão para comprar equipamentos novos”, ” uma malinha”, simulou guardar “dinheiro na cueca”, e aproveitou para falar sobre José Dirceu: “ – Nos anos 60, tempo da ditadura, quando eu tinha 18, 19 anos, o barato era tomar uma pedrinha e ir para as ruas protestar sobre qualquer coisa. Uma vez, num desses protestos, dei uma pro Zé Dirceu. Desperdicei uma pedrinha!”, disse Rita, levando todo o parque às gargalhadas. E mais: ” – Minha querida Petrópolis, tão bonita e organizada. Aliás, foi aqui que Roberto Jefferson nasceu, não? Vocês são guerreiros!”.

“Minha memória está f…”

Foi o que Rita esbravejou, ao esquecer a letra de Amor e Sexo e começar a música novamente. Ao apresentar a banda, ressaltou a importância dos músicos brasileiros, e ressaltou o caso de amor de três décadas com Roberto de Carvalho: “ – Ele é minha alma gêmea. Falando nisso, odeio essa novela, odeio rodeio!”, fazendo uma fusão entre os folhetins e aproveitando para reafirmar seu protesto sobre o abuso de animais e os rodeios, um dos principais temas da novela “América”, de Glória Perez.

No palco, além de Rita e Roberto, Dadi (baixo), Ary Dias (percussão), Débora Reis (vocais), Rafael Castilhol (teclados), e Edu Salvitti, o baterista da Banda Galaxy, que junto com Beto Lee (guitarras) formam a família do rock brazuca.

No bis, como já vem fazendo desde o início da turnê Balacobaco, Rita pergunta aos fãs o que eles querem ouvir. Resultado: todos foram brindados com Caso Sério e Lança perfume, sucessos do disco gravado no “louco inverno de 1980”, como ela mesma dizia nos agradecimentos do LP. Desta vez, quem enlouqueceu mesmo foi a plateia, indo ao delírio com a rainha do rock. Um momento inesquecível, uma noite pra guardar na memória.

1 Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.